Entrevista na revista Maxwell (Traduzida)
Arquivado em Notícias Fotos Scans Photoshoot Séries La Ciencia de lo Absurdo O Exorcista Sense8 Teatro

Entrevista na revista Maxwell (Traduzida)

Na revista Maxwell México de novembro 2017 podemos encontrar uma entrevista que fizeram recentemente com o ator mexicano, por conta da estreia da segunda temporada de O Exorcista. Leia abaixo.


Arte e ofício de um ator fora de série

Alfonso Herrera está vivendo um dos melhor momentos da sua carreira. Imparável, motivado e comprometido, se transformou em um dos atores mais conhecidos na nova onda de séries televisivas e, como se não fosse o bastante, há pouco tempo estreou como pai do pequeno Dani, que assegura ser a melhor experiência que já aconteceu na sua vida. 

Quando Alfonso Herrera tinha 17 anos, viu seu futuro na aviação, por isso quis estudar em San Antonio, Tx. Porém, a atuação apareceu circunstancialmente em vários momentos da sua vida e não é algo que cause conflitos, pelo contrário. Desde suas primeiras telenovelas até hoje em dia (envolvendo-se em projetos realmente exitosos), Alfonso demonstrou que nasceu para estar na frente das câmeras.

Com sua participação nas séries Sense8 da Netflix e The Exorcist da FOX, Alfonso desafiou seu talento e ficou muito bem internacionalmente. Precisamente, The Exorcist é o que o mantém ocupado agora. Quando fizemos essa entrevista, Alfonso estava no Canadá para as filmagens da segunda temporada.

A série conseguiu excelentes opiniões, é inspirada na novela e nos filmes homônimos, um ícone do drama e do terror. Alfonso interpreta o padre Tomás, que precisa lutar contra diversas forças malignas. Enquanto o projeto demonstrou que as coisas bem feitas podem cativas um mercado que gosta de um gênero específico, Alfonso comprovou que os latinos podem fazer diversos tipos de papeis, não só aqueles que tem a ver com esteriótipos desgastados.  “Na primeira temporada havia uma ligação muito forte com o filme original de 1973. Porém, nessa segunda temporada estamos nos afastando um pouco mais do original. Estamos navegando com mais liberdade, explorando novas áreas geográficas nos Estados Unidos; a primeira temporada foi em Chicago e a segunda foi no noroeste, que é toda essa parte de Seattle e Montana. São duas atmosferas completamente diferentes, o que torta isso muito mais interessante e rico (com) esse contraste”, assegura Herrera.

O capítulo e inclusive uma parte do primeiro episódio de The Exorcist foram filmados na Cidade do México, de onde se originou o personagem de Alfonso, e ele desencadeou rumores de que uma terceira temporada poderia ser desenvolvida no País. “Falando um pouco com o criador da série e o produtor, disseram que provavelmente gostariam de explorar a parte norte americana da cultura católica e que isso poderia ser um elemento muito interessante para incorporar na série. E bom, isso aconteceria se avançarmos para uma terceira temporada. Ainda falta muito tempo”, assegura Herrera.

Como você consegue ter um leque tão amplo de possibilidades interpretando personagens tão diferentes entre si?
Eu acho que, antes de tudo, desfrutando. Eu desfruto muito o que eu faço e desfruto muito a criação dos meus personagens. Realmente é muito divertido, me divirto muito tanto no processo como na criação, na interpretação; fazer históris diferentes, buscar histórias e personagens interessantes.

Considera que representa um perfil de ator latino diferente, atual e moderno? 
Considero que em muitas ocasiões existe uma visão muito limitada do que nós, como mexicnos, representamos para os networks e para todas as cadeias de televisão (…). Basta ver alguns programas de televisão e alguns filmes para perceber essa visão tão clichê do que eles acreditam que somos. E algo que eu gosto bastante, especialmente tanto em O Exorcista como no personagem que interpretei em Sense8, é que são latino americanos, são mexicanos que não representam esse clichê e essa imagem equivocada na qual nos posicionam. Nós, como mexicanos, temos uma cultura realmente rica, temos cosas muito valiosas e acho que nesses projetos tanto os criadores como os escritores nos deram, como latinos, a possibilidade de compartilhar algo muito mais aterrizado, que mostra algo tridimensional, não algo caricaturesco, por assim dizer. E é algo que eu celebro.

Como ator, com que tipo de projetos você sonha?
Mais do que um projeto específico, trato de ser coerente com o que eu quero compartilhar e expressar. Eu acho que é importante escolher os projetos, e não digo como latino americano, porque eu tive a sorte e a possibilidade de trabalhar nesses lares. Somos responsáveis pelos papeis que escolhemos para que conheçam o que somos (…). Mi única meta é continuar avançando, seguir trabalhando sem importar qual seja o rumo: para o norte, para o sul, leste ou oeste. O que me importa é procurar histórias e personagens interessantes, que possam transformar ou dizer algo.

Em algum momento você gostaria de entrar na produção o escrever algum filme ou série?
Não sei, provavelmente. Acho que para poder entrar com tudo em uma produção e poder estar do outro lado da câmera, você precisa encontrar um projeto que te tire o sono e algo que realmente te preencha e você diga ‘Isso! Vou entrar 100% nisso!’ e acho que isso ainda não chegou e nesse momento eu valorizo muito o sono, principalmente com um pequenino de alguns centímetros.

Como foi a experiência de ser pai?
Foi a montanha russa mais incrível e interessante. O mais incrível que me aconteceu. O processo é o que mais te ensina; é o maior aprendizado da minha vida.

Você teve que trocar fraldas?
Tudo. Absolutamente de tudo.

Em que entorno você gostaria que seu filho crescesse?
Eu gostaria de viver em uma sociedade que respeita as diferenças, que valorize as diferenças. Acho que nesse momento estamos vivendo momentos obscuros e um pouco tenebrosos (…). Basta abrir um jornal ou uma revista e você vai perceber o caos em que estamos metidos. Estou seguro de que, em algum momento, quando passarmos por tudo isso, vamos voltar a esse ponto e eu espero que meu filho possa ser testemunha de um mundo mais respeitoso.

Você acha que pode haver uma mudança de consciência, voltar à origem?
Sim, acho que sim. Eu acho que as gerações que virão vão aprender com os erros que nós cometemos. E acho que absolutamente todas as gerações fazem isso (…). Espero que não voltemos ao ponto em que nos encontramos agora, é um mundo tão peculiar o que nos encontramos nesse momento (…). Foi um ano cheio de mudanças para nos adaptarmos, e nessa adapção encontramos muitos aprendizados. Acho que foi um ano muito complicado (…) com tantas situações que aconteceram, desde o terremoto, os furacões, Trump, todos esses movimentos que ocorreram na Europa – quase quase chegando ao fascismo -. Foi um ano extremamente duro. E volto ao mesmo ponto, espero que não voltemos a isso jamais.

 

Após o inesperado corte da série Sense8, a Netflix decidiu filmar um último capítulo especial que durará duas horas; Com filmagens na Europa, Alfonso passará, dessa forma, os últimos meses de 2007 com uma dinâmica complicada, porque, por um lado, também precisa estar no Canadá para as filmagens de The Exorcist. Logo estará de volta ao México para as gravações da quinta temporada do programa de comédia La Ciencia de lo Absurdo, assim como para começar a ensaiar para uma peça de teatro.

Revista Maxwell

Share
Alfonso Herrera, faminto para seguir aprendendo
Arquivado em Notícias Filmes O Escolhido (The Chosen) Séries La Ciencia de lo Absurdo O Exorcista Sense8

Alfonso Herrera, faminto para seguir aprendendo

Alfonso Herrera surgiu de um mundo pop. Não o nega nem se sente envergonhado. Não tem porque, pelo contrário, foi a partir daí que encontrou as primeiras ferramentas para dar forma a sua carreira como ator, seu verdadeiro objetivo. Não ser um cantor, não ser um eterno galam. Porém, foi necessária muita intelegicência e paciência para descer desse trem em paz, sem escândalos, sem ressentimentos e sem uma história de vida a bordo.  Saiu ileso.

Foi assim que, de uma forma natural e amigável, se despediu do ídolo juvenil para deixar apenas o cara que busca encontrar bons projetos, com personagens que o confrontem e o permitam seguir aprendendo. Se tornou exigente e, apesar de parece que Hollywood não o deslumbrou, o emociona o encontro com projetos que o sacudam. Decidiu focar-se em criar uma carreira, construí-la a partir da honestidade consigo mesmo e de muita firmeza com relação ao que deseja e aonde deseja chegar. México, Estados Unidos, Europa… Não importa o lugar, ele deseja seguir trabalhando em sua carreira.

Nos encontrarmos com Alfonso Herrera, mais conhecido como Poncho Herrera, e levou tempo, o fizemos no CrossFit 365 da colônia Condesa, depois de vários meses. Não foi fácil, pois no meio de 2016 aconteceu em sua vida uma mudança perfeita. Foi um grande salto. A última coisa que filmou no México foi a série El Dandy e parte do filme El Elegido, mas desde que assinou para a série da Netflix, Sense8, das irmãs Wachowski, o trabalho internacional não parou: seguiu com a série El Exorcista para o canal Fox e continua com a condução do programa La Ciencia de lo Absurdo do canal NatGeo.

Entrevista de The Red Bulletin México

Você já esteve em muitos trabalhos, mas parece que você foi refinando a seleção dos seus projetos. Quando você passou a fazer isso?
“Eu decidi que o importante é continuar aprendendo. Ter essa sede de continuar fazer coisas”.

Você se tornou mais exigente? Tem mais filtro na hora de escolher um trabalho?
“Eu gosto de contar histórias e que os personagens sejam incríveis; que digma algo. Que primeiro mude a você mesmo para depois gerar uma mudança no público. Uma vez o Daminá Alcázar veio até mim, antes da gravação de La Dictadura Perfecta e me disse: ‘Que bom que você está tomando consciência do que você quer dizer’. Se todos passarmos a ser conscientes do que queremos transmitir, a perspectiva do nosso trabalho, tudo muda. Muitas vezes há personagens que são mais fáceis de interpretar, mas se você não se desafia ou não sai da sua zona de conforto… para que está fazendo isso?”.

O que o Damián te disse…
“Isso teve um eco em mim, porque afinal de contas eu tive, sim, que colocar um freio para ver aonde eu queria ir, o quê e como eu queria fazer. Mas, claro, também desfrutando do meu trabalho”.

Esse freio nos obriga a fazermos uma revisão de 360º do que somos…
“Sim, ter muita consciência de quem se é nesse momento. Eu considero que continuo em um processo de aprendizagem que serviu para que eu pudesse seguir adiante e continuar desfrutando dos projetos”.

Qual é a sua fome?
“Continuar aprendendo, continuar trabalhando, não importa se é no norte ou no sul. Cada vez que me perguntam que tipo de personagens que eu gostaria de fazer, eu respondo: ‘Não sei’. Mas quando eles chegam é que eu digo: ‘Caramba! Isso tá incrível! Isso é o que eu quero fazer!

Essa fome, às vezes, faz com que você tenha que engolir um monte de trabalho, mas nesse caso…
“É que quando você escolher um projeto pode te tomar quatro meses. Quando eu fiz El Elegido, começamos em janeiro e termimamos em julho. Só esse projeto já foi bastante tempo. No caso de Sense8, que teve um processo de preparação física, a primeira temporada foi de maio a setembro de 2015. Quando eu fiz El Exorcista, gravei o piloto em março e terminei em setembro. Então são processos sumamente grandes.”

Quais são as diferenças em relação aos projetos menores, que você não tem que se preparar tanto?
“Não, não… Você tem que continuar se preparando, mas tem que resolver muito mais rápido. Nesses processos grandes você pode ter mais preparação, mais planejamento, há um trabalho de mesa muito mais extenso”.

Agora você tem mais tempo?
“Isso. E eu procuro ter também.”

Você acha que ter muito mais tempo para se preparar foi o que permitiu que você desse esse salto?
“Eu não sei, me sinto mais cômodo quando me preparo um pouco mais, quando estudo mais, quando tenho mais tempo de trabalho de mesa com as pessoas, simplesmente. Quando eu coloquei esse freio de mão para ver onde eu estava, também pude ver quais são minhas fortalezas e minhas debilidades, poli-las.  Obviamente,  trabalhar bastante minhas debilidades”.

No processo das debilidades, como você faz para realmente mudar isso?
“Com trabalho… Trabalhando! Levando a sério o que estou fazendo. Se você vai fazer um personagem tem que trabalhar. O tempo te dá a possibilidade para descobri-lo, trabalhá-lo com o diretor, com os criadores e eles mesmos vão te dando feedback, o que retroalimenta tudo”.

Fora de falsas modéstias e em um exercício de introspecção, quais são as suas fortalezas e debilidades?  
“Eu não quero aprofundar isso, porque me dá um pouco de pudor, mas o que eu quero te dizer é que você deve ser extremamente honesto com você mesmo”.

A maioria das pessoas não é honesta, não gostam de prestar atenção nos seus defeitos, apenas no que é bonito ou no bem que os demais fazem, como você faz para ver o que não está bem em você?
“Sendo autêntico. É um trabalho de se sentar e escutar o que você não está fazendo bem, porque muitas vezes pode ter diferentes perspectivas, a que eu tenho de mim, a que você tem de mim e a perspectiva que realmente existe. É preciso estar aberto ao feedback que os outros te dão e isso é muito valioso, porque há uma frase que diz tudo: ‘Não mate o mensageiro'”.

Você sempre teve feedbacks ou você o desenvolveu ao longo da sua carreira? 
“Sempre o tive”.

Ou seja, você não tem problemas com alguém que chega e te diz algumas verdades sobre você? 
“Olha, sinceramente, já me disseram de tudo na carreira que eu tenho e, no final das contas, eu me mantive muito firme naquilo que eu quero e onde desejo chegar. Se eu tivesse me focado no que me dizem, em como eu estava sendo percebido, eu teria ficado em um lugar muito específico. Essa é uma fortaleza que eu tenho, minha tenacidade; mas foi um processo muito lindo esse de querer me fixar em uma meta e ter um passo constante para onde quero chegar”.

Isso é parte de um trabalho pessoal, muito introspectivo, muito do ator, não? 
“Não apenas do ator, é um trabalho que você tem pela convivência em um set, que tem a ver com o ofício de ser ator,  mas também com a relação de pessoa a pessoa. O que acontece é que muitas vezes em um set é onde você aprende, a partir do trabalho em equipe, e isso implica saber escutar e também que te escutem”.

Agora que você está trabalhando em um nível internacional, o que acontece aí?
“São exatamente os mesmo ferros. Acima ou abaixo, são mesmos ferros. A única coisa que muda é a sua visão, sua atitude e seu compromisso com o projeto”.

Mas que diferença você encontra quando trabalha no México e quando você se encontra envolvido em produções internacionais?
“Tempo… Você tem mais tempo para poder se rpeparar. A diferença, às vezes, só tem a ver com as limitações que enfrentamos em nosso País, ainda que a maneira com que se trabalha no México te dá algumas ferramentas muito importantes, porque ter pouco tempo sempre faz com que se resolva mais rápido, tem que estar a mil”.

Desses ambientes, internacional e mexicano, não há um melhor que o outro? 
“Eu acredito que o melhor é continuar trabalhando”.

O que vem agora?
“Depois de El Elegido, a primeira vez que um filme mexicano teve estreia na Netflix e em 190 países, esperar a confirmação da segunda temporada de El Exorcista. Certamente muita gente achou estranho que tocássemos o santo graal do terror para fazer uma série. Quando eu recebi o piloto, disse: ‘Não brinca, isso está muito diferente’, e quando eu li, disse: ‘Não acredito, isso está muito bom!’. O mais interessante é que havia um personagem mexicano e esse saía por completo do clichê que é levado nos filmes ou séries sobre como veem os mexicanos nos Estados Unidos. Essas também são histórias que quero contar… Mais além da série, que é incrível”.

Essa pergunta é muito óbvia, mas porque é tão importante não criar esteriótipos? 
“Porque no final das contas é uma mentira e é como seguir por um caminho fácil”.

O que você acha que são os mexicanos?
“O que eu quero e quis transmitir com esse personagem, especificamente, é que culturalmente somos muito ricos, não somos esse esteriótipo e que é errada a forma como nos veem. Acredito que também é uma responsabilidade nossa dizer e fazer isso”.

Mas no mundo do entretenimento, onde continuam existindo clichês, também é correto que você trabalha com o rosto e o corpo, entretanto, até onde você aguenta isso?
“Considero que o importante é seu trabalho e cada um investe no que decide. Se alguém só o faz no físico, a data de expiração é muito rápida. Então há que se investir em outro tipo de coisa, em projetos que sejam interessantes, em personagens que valem a pena… Dessa forma, a única coisa que vai acontecer é que não dependa completamente disso. Eu tentei me diversificar um pouco mais, e isso é tudo!”.

UHQUHQUHQUHQ

The Red Bulletin México

Share
Alfonso Herrera em intensa entrevista – Vanity Fair México
Arquivado em Notícias Séries La Ciencia de lo Absurdo Sense8 O Exorcista

Alfonso Herrera em intensa entrevista – Vanity Fair México

Na espera da confirmação de uma segunda temporada de El Exorcista e quase gravando a nova temporada de La Ciencia de lo Absurdo, Alfonso Herrera falou conosco sobre a estreia, na Netflix, do filme El Elegido e da nova temporada da série Sense8. Também confessou, entre outras coisas, porque considera o diretor Luís Estrada um profeta e porque Amar te Duele continua “doendo” 15 anos depois da estreia. “Na foto da minha identidade ainda tenho os cabelos louros de Amar te Duele. Sempre que vou ao aeroporto e mostro, me dizem ‘Porque a matou?’. Muita gente me diz que já está na hora de mudar a foto”.

Você teme que seu personagem em Sense8 ( que forma um casal com Miguel Ángel Silvestre) diminua o êxito que você tem entre o público feminino? 
“Esse tipo de coisa é uma questão de morbidade. Eu trato de ser profissional, dar o melhor de mim em qualquer papel e não prestar atenção nesse tipo de opinião. Inclusive, o propósito da série é eliminar esse tipo de morbidade”.

Como você encara, como ator, as cenas íntimas com Miguel Ángel Silvestre?
“Simplesmente são duas pessoas que estão demonstrando amor, independente do sexo de quem compõe esse casal”.

Você foi objeto de muitas especulações nesse sentido, você é do tipo que contesta quando te atacam nas redes sociais? 
“Raramente, só quando tem a ver com futebol”.

Qual a mentira mais absurda que você leu sobre você?
“Disseram que vai haver um reencontro de RBD não sei quantas vezes. Também me juntaram com pessoas que não tenho relação e fingiram brigas com pessoas que eu me dou bastante bem”.

Em El Exorcista é o público que sofre. Na vida real, o que te da medo? 
“Os governantes que temos nesse País; é terrível”.

Se você tivesse que dirigir o governo do México, você o faria como uma comédia ou tragédia?
“Às vezes dá vontade de rir e outras de chorar. Faz pouco tempo falei com o diretor de La dictadura perfecta sobre como parece que pegaram o filme, se nutriram e utilizaram as coisas que aparecem lá. É como se Luis Estrada fosse a Bíblia do que está acontecendo agora. Foi uma espécie de profeta. Você assiste o filme e ri, mas de uma maneira perigosa, porque você ri da realidade do seu País e de como governam ele”.

Apesar de estar de um lado para o outro trabalhando, você sempre volta para o seu País, porque?
“Eu trabalhei muito para construir algo aqui e não quero deixá-lo”.

Com tantas viagens, você se considera cidadão do mundo?
“Sou mexicano”.

O que você acha da frase: vou assistir o filme só porque aparece Poncho Herrera? 
“Seja bem-vindo! Se estão assistindo, está maravilhoso. Quando estava fazendo a obra Nadando con Tiburones, foi justamente no ano em que Demián Bichir estava nominado ao Oscar; então muita gente ia só para vê-lo. No final, se surpreendiam porque, além de cumprir o objetivo, aproveitavam uma boa história”.

Alguma vez você já esqueceu uma fala?
“Sim, no teatro é horrível. Foi nessa obra. Estava fazendo uma cena com Ana de la reguera, ela me deu o pé e me deu um branco. Eu olhei para ela durante uns segundos e ela abria e fechava os olhos dizendo: como posso te ajudar? Eu reagi em cinco segundos, mas pareceu uma hora.

Sente falta de cantar?
“Não, ainda continuo cantando no chuveiro”.

Você é bom nisso?
“Sou entonado”.

A fama custa caro ou causa vício?
“Eu acho que não. A vejo como um trabalho; vou, checo meu cartão e no final do dia saio e volto para minha família”.

Como está sendo isso de ser pai? 
“Sou feliz, estou feliz. É a montanha russa mais incrível que eu subi. Desde que meu filho chegou tudo gira em torno dele e é maravilhoso. Isso sim, sobre dormir nem falamos…”

O que você quer ser quando envelhecer?
“Quero não perder a fome de continuar aprendendo e fazendo coisas novas. É o único que peço a qualquer energia superior”.

Você acredita em Deus?
“Sim, mas de uma maneira bem pessoal e particular”.

A mais esperada

A segunda temporada de Sense8, escrita y produzida pelas irmãs Wachowski e J. Michael Strazcynski, estreia 5 de maio.

VFMX

Share
Alfonso Herrera premiado na Universidade de Harvard
Arquivado em Notícias Séries O Exorcista La Ciencia de lo Absurdo Sense8

Alfonso Herrera premiado na Universidade de Harvard

O ator receberá a honra, amanhã, como “Latino del Año” no marco da celebração anual de Presença Latina, um show cultural que é realizado na casa de estúdios, desde 2002.

Para mim foi uma surpresa muito boa poder ir a esta universidade“.

Eu fico muito emocionado por poder plantar meu ponto de vista como latino, como mexicano, como alguém que se sente muito orgulhoso por suas raízes, que tem a possibilidade de trabalhar em produções fora do México”, disse Herrera em entrevista.

O ex RBD participará de um painel de perguntas e respostas com os estudantes, onde conversará sobre sua experiência como intérprete.

Além disso, assegurou, o que lhe traz mais expectativas é a oportunidade de plantar seu ponto de vista e o intercâmbio de opiniões com os que vão assisti-lo, considerando o clima político que existe após a chegada de Donald Trump a Presidência dos Estados Unidos.

Me parece algo muito valioso que possamos ter um diálogo com os estudantes. Isso me entusiasma muito”.

Tenho muitas expectativas. Poder ir e conhecer os estudantes, e, especificamente, conhecer a comunidade latina de estudantes que está em Harvard, suponho que eles foram os que insistiram bastante para que eu pudesse estar lá”, adicionou.

O ator de séries como Sense8 e El Exorcista assegura que sua situação laboral e pessoal não mudou desde que o novo mandatário chegou ao poder.

A interação que eu tive com as pessoas que estiveram nos projetos que fiz nos Estados Unidos foi exatamente a mesma”.  

Grande parte das pessoas que se dedicam ao entretenimento não concordam com a postura de Trump e isso é algo conhecido por todo o mundo, inclusive pelas pessoas que estão nos Estados Unidos“, compartilhou Herrera.

Sobre a expectativa de saber se El Exorcista terá uma segunda temporada, e próximo de gravar a quarta temporada de La Ciencia de lo Absurdo, para NatGeo, o ator assegura que trabalhar no país é uma prioridade da sua carreira.

Estou muito entusiasmado de seguir trabalhando no México. Recebi propostas de trabalho tanto para o cinema, televisão e teatro. Estou muito aberto a seguir trabalhando aqui. Me interessa muito continuar trabalhando no meu país“.

Share
Alfonso Herrera em entrevista telefônica com Javier Poza em Fórmula
Arquivado em Notícias Filmes O Escolhido (The Chosen) Séries O Exorcista La Ciencia de lo Absurdo Sense8

Alfonso Herrera em entrevista telefônica com Javier Poza em Fórmula

Em uma entrevista telefônica com Javier Poza, o ator compartilhou informações sobre seus próximos eventos e projetos, em seguida destacamos alguns comentários de Poncho durante a entrevista, além do áudio para escutá-la.

 

Apareceram coisas muito boas e positivas, eu não tenho do que reclamar. Ajustando o trabalho com essas novas bendições que acabam de chegar, mas estou muito feliz.

Quando recebi o convite para fazer o testo da série (O Exorcista), eu disse: “essa é uma má ideia. Quem se atreve a mexer com esse clássico?” (…) Foi uma ideia magnífica.

Quando você um chip para continuar aprendendo, você continua se divertindo e quando você continua se divertindo acho que as coisas saem melhores.

É um tema que eu sempre tratei com muito respeito e o respeito.

Não consegui encontrar muita informação sobre o tema com as pessoas da igreja, era um assunto complicado. Mas as pessoas da produção tinham uma quantidade de informações brutal.

Ao tocar esses demônios você coloca a história em um lugar muito humano e fundamentada.

A mim não me importa se eu trabalho bem no norte ou bem no sul, se vem de um lado ou de outro, o importante e continuar trabalhando e encarar isso como é: uma profissão.

Nós, latinos, estamos vivendo momentos muito importantes nos Estados Unidos. As emissoras de televisão estão se dando conta do poder que os latinos têm nesse país.

Voltarei ao México e farei a 4ª Temporada de “La Ciencia de lo Absurdo” para Nat Geo.

Vejo como complicado ir ao FICM para a estreia do filme “El Elegido” mas estou checando a agenda com a produção.

E chega 2ª Temporada de “Sense8”. Acho que estreia o primeiro capítulo em dezembro, e a temporada inteira no primeiro trimestre de 2017.

Miguel Ángel Silvestre é um grande companheiro de trabalho e um grande amigo, tenho muito estima por ele. É muito comprometido.

Share